Follow by Email

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

UM GAROTO PERDIDO?


Desde que Bram Stoker trouxe ao mundo literário a história do príncipe da Valáquia: Vlad Tepes, o empalador, a figura mítica do vampiro fincou uma estaca na cultura e, de lá para cá, nunca mais a abandonou.Perde-se a conta com o número de livros, filmes, séries de TV, peças de teatro e músicas - entre uma infinidade de manifestações culturais - onde o morto vivo sedutor que suga o sangue das pessoas é protagonista.Atualmente, a maior bilheteria dos EUA, para variar, é sobre vampiros. Baseado no best seller “Crepúsculo”, da americana Stephanie Meyer, que descobriu a fórmula para abocanhar (sem trocadilhos) os fãs da série Harry Potter, já que o livro é interessante, envolvente e, mesmo numa atmosfera adolescente, contém diálogos mais maduros do que os livros do pequeno mago. O fato é que histórias sobre vampiros sempre serão uma fórmula certa para o sucesso, especialmente quando as adaptações cinematográficas partem de obras literárias, como o caso do belíssimo Drácula, de Coppola.No filme há um Gary Oldman metamorfósico e, sem dúvida alguma, o maior intérprete do Conde desde a canastrice simpática (e cult) de Bela Lugosi. Não há nem espaço para o maçante e repetitivo Christopher Lee.Mas entre mortos e feridos (neste caso, sempre mortos e feridos, quase sempre com uma estaca no peito), se destacam também outros atores. É o caso do sinistro Max Schreck, por seu Conde Orlok (nome criado numa estratégia de advogados, pois a viúva de Bram Stoker não autorizou a adaptação) no filme Nosferatu, de Murnau - um dos mais assustadores de todos os tempos. Além dele, há também o galã Chris Sarandon como o vizinho sexy e também vampiro no clássico dos anos 80 “A Hora do Espanto”. O assunto é vasto e seria necessária não uma coluna, mas sim um livro par divagar apenas sobre cinema envolvendo o dentuço, que conta ainda com Tom Cruise e Brad Pitt como personagens de Anne Rice (outra milionária com o assunto), a comédia “Dança dos Vampiros”, de Polanski, entre um universo infinito sobre o personagem. Mas já que o assunto é Crepúsculo, ou seja, vampiros para adolescentes, eu ainda fico com o clássico da minha adolescência “THE LOST BOYS – Os Garotos Perdidos”, que com um elenco de estrelas na época, como Jason Patric, Corey Haim, Corey Feldman, Diane West e Kiefer Sutherland, envolvidos numa trama divertida, envolvente e - por que não - assustadora sobre uma família que se muda para uma cidade do interior dos EUA dominada por uma gang de vampiros. Com inúmeras referências de cultura pop, além de uma trilha sonora explosiva, incluindo o clássico People are Strange, do Doors (interpretada por Echo & the Bunnymen) o filme é uma delícia e um clássico eterno de sessão da tarde, assim como Curtindo a Vida Adoidado. Para os fãs do gênero, saiu uma edição especial em DVD com excelente material extra.
Fica a dica também para não esquecerem de acessar o site www.guarulhosweb.com.br e assistir ao Cinelândia Especial VAMPIROS, que gravei ano passado, mas que contém um vasto repertório cinematográfico sobre o assunto. Incluindo este seu jovem e nobre colunista como um vampiro sedutor de botequim. Alguém se habilita a ceder um pescocinho?

sábado, 6 de dezembro de 2008

DESARMANDO JAMES BOND



Meus sete leitores (ou porque não 007, afinal a maioria de vocês agem secretamente no meu blog) leitores, eu confesso sob tortura da Cia e da extinta KGB, que nunca fui fã da série do agente secreto britânico James Bond, portanto não sei se tenho envergadura pra falar sobre os filmes da série, mas o fato é que fui ver Quantum of Solace (sem tradução no Brasil, pois ninguém aqui e nem lá acho que entenderam o título) e mantive minha opinião sobre este tipo de filme: um show de fogos de artifício sem muita novidades, portanto agente por agente eu fico ainda com o divertido Austin Powers. A trama é sempre a mesma desde o início da série: espião britânico com licença para matar, que enfrenta vilões megalomaníacos, transa com mulheres lindíssimas (Bond girls), luta, pula, atira, briga, mas nunca rasga o terno e nem se despenteia entre outras ações que subestimam o cérebro de qualquer pessoa com mais de 110 de QI, mas como o estilo do filme é pipoca e Coca-Cola, ninguém quer pensar mesmo e sim se divertir com as cenas de ação. Bom, aí está o problema! Neste filme especificamente as cenas de ação nada trazem de novo. São perseguições de carro que você já cansou de ver, perseguições de barcos que você já viu e lutas e mais lutas que pra quem já viu três filmes do Van Damme, já decorou a coreografia toda, assim como as de bailarinas de axé. Então pergunto eu: o que leva o povo assistir a mais uma seqüência de um personagem que convenhamos já deu o que tinha que dar? Tudo bem que mesmo não sendo lá estas coisas ainda tem bem mais charme e apelo do que o superestimado Identidade Bourne. O ator Daniel Graig nunca foi um astro de grande expressão, aliás o que ele menos tem é expressão, principalmente facial, mas o corpo sarado e os olhos hipnoticamente azuis ganharam o papel e convenhamos que o fato de ser um 007 marginal, já merece o crédito, pois o Bond de Graig (não é grupo novo de funk) esta bem longe de ser refinado. Está muito mais pra uma mistura de Capitão Nascimento pela truculência misturado com Charles Bronson, pelo desejo desenfreado de matar. Aliás, se existisse lanterninha ainda no cinema era arriscado o pobre senhor levar uma bala no peito, porque nunca vi tanta morte banal e gratuita num filme como eu vi neste. Deveria ter um curta metragem com o Datena antes do início da película. O diretor Marc Foster, dos ótimos “Mais Estranho que a Ficção e “Em Busca da Terra Encantada”, resolveu inovar e abdicou-se do uso de storyboards para as cenas de ação e se você for um cara atento e amante deste segmento, vai ver que não é à toa que titio Spielberg, Michael Bay e James Cameron nunca abriram mão desta importante ferramenta. Na minha modesta opinião, minha avó que era fã do Trinity e Bud Spencer, tinha razão: cada macaco no seu galho! Não imagino Woody Allen dirigindo Bruce Willis num filme onde ele salva o planeta de terroristas com armas letais e muito menos imagino Tarantino dirigindo uma história de amor sobre um casal de imigrantes iugoslavos perdidos na Irlanda, então cada um na sua e Marc Foster deveria continuar com filmes emocionantes e de bons (alguns até excelentes) roteiros e deixar este papo de 007 pra sua majestade: o diretor de filmes de ação! O jargão “Luzes! Câmera! Ação!” deveria ser abolido em alguns casos e automaticamente substituído por “Luzes! Câmera! EMOÇÃO!” Ainda mais na escolha de elenco, porque este vilão de Quantum é a cara do Agostinho (grande Pedro Cardoso) do seriado “A Grande Família” e ainda se veste como o próprio o que dificulta você crer que um homem deste queria comandar o planeta. A não ser que seja o dos Macacos! As Bond Girls também deixam a desejar. É evidente que eu não negaria nenhuma delas a fazer uma visita nua pela minha coluna e programa de TV, mas que estão bem fora do padrão das antigas, o senhor Hugh Hefner que não me deixa mentir. Finalizando a bomba (que James Bond não conseguiu desarmar) o que é aquela música de abertura? Juro que achei que era I-Pod de algum funkeiro dando interferência no sistema de som do cinema, porque era completamente inverossímil com as (belas) cenas dos créditos iniciais. Mais uma sacada de algum gênio do falido mercado fonográfico. É isto. Meu nome é Nunes. Maurício Nunes!