Follow by Email

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O BERÇO ESPLENDIDO DA “MENTIRINHA”



Agradeço antes de qualquer coisa, as inúmeras manifestações ao artigo passado, quebrando o recorde de e-mails, o que me deixou bastante feliz por saber que tantas pessoas compartilham da mesma opinião, o que sinaliza uma esperança de quem sabe, a gente mudar este quadro dantesco que nos fora herdado. Eu havia antecipado também a trama grotesca da falsa grávida antes de vir à tona e claro, nem precisava prever que isto não daria em nada e seria apenas o nascimento (sem trocadilhos) de mais uma personagem do país da mentirinha, onde numa única semana tivemos um estupro de mentirinha, mais uma celebridade de mentirinha e a progenitora de tanta bobagem, a grávida de mentirinha, que até poderia ser apelidada de Portugal, afinal o Brasil também não passa de uma concepção de mentirinha de além mar. Nosso descobrimento foi de mentirinha, nossa independência idem e de lá pra cá, a mentirinha virou mania nacional. Temos um exército de políticos de mentirinha, afiliados a partidos de mentirinha levantando soluções de mentirinha contra problemas de verdade, mas com um único intuito verdadeiro: ficar cada vez mais rico e gordo sem fazer nada. Em programas e discursos também de mentirinha, endossados por alguma celebridade de mentirinha, conseguem assim se elegerem e receberem de verdade um salário absurdamente maior do que o mínimo de mentirinha estipulado pelo próprio governo de mentirinha, administrado por eles. Para o povo viver sob uma felicidade de mentirinha, criam-se também artistas de mentirinha com canções de mentirinha que dopam facilmente uma população frágil por receber tratamento de saúde de mentirinha, alimentação de mentirinha,segurança de mentirinha e se tornar submissa por receber uma educação de mentirinha, onde inclusive para ser avaliada sua qualidade, elaboram um exame nacional, pasmem meu caro leitor, também de mentirinha. Uma parcela deste povo ainda consegue um diploma numa das muitas faculdades de mentirinha para assim conseguirem cargos de mentirinha para ocuparem cada vez uma posição melhor na cadeia alimentar, que aliás, os criacionistas também consideram uma mentirinha. Com o intuito de esconder cada vez mais a verdade para não se causar pânico no país da mentirinha, dopa-se ainda mais o rebanho com realitys de mentirinha, jornalismo de mentirinha, shows televisivos de mentirinha, campeonatos esportivos de mentirinha e folhetins, que por serem ficção, naturalmente são mentirinhas, mas paradoxalmente aqui são seguidos como se fossem a mais absoluta verdade. E por falar em absoluto e em verdade, até a religião tem sido afetada com padres cantores de mentirinha e pastores também de mentirinha, mas com contas recheadas de dólares verdadeiros. O amor também aqui é de mentirinha, mas o mercado da vaidade e do sexo, este sim, fatura de verdade. Vendem-se sonhos molhados de verdade com capas de revista de mentirinha refeitas no photoshop, a maior ferramenta aliada da mentirinha na arte de seduzir nossa visão, a prostituta dos sentidos. São rostos de mentirinha, seios de mentirinha, lábios de mentirinha, bunda de mentirinha e até hímens (!!!) de mentirinha para iludir o homem, em alguns casos, também de mentirinha, já que tudo virou festa e daquelas que Tim Maia não seria convidado, porque seus versos seriam condenados por uma justiça também de mentirinha, por serem considerados homo fóbicos, ao proferir que “vale tudo, menos homem com homem e mulher com mulher.” E no país da mentirinha, eis que a falsa grávida burlesca não foi julgada e muito menos condenada, porque refletia a mãe de uma nação de mentirinha, pois talvez dentro daquela bola de plástico estivessem contidos todos nossos sonhos e desejos fomentados pela mentirinha ligada eternamente ao cordão umbilical do que chamamos de felicidade. Eu, um mísero jornalista, também de mentirinha, tento me conter para não escrever tantas verdades, pois a cada uma delas, ouço George Orwell, um intelectual de mentirinha gritando em meu ouvido: “Cuidado, garoto! Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário.”

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

ESTUPRARAM A INTELIGÊNCIA, A INTEGRIDADE E BOM SENSO, MENOS A LUIZA



Começo de ano é sempre desagradável, pois com ele vem o IPVA, IPTU, DPVAT e mais outros impostos para engordar contas de políticos. Como se isto já não bastasse ainda temos as chuvas torrenciais, reprises de programas na TV, jornais com falta de assunto e o pior de tudo: mais um BBB. As férias acabam para todos, inclusive para mediocridade, que mal começa o ano, e já esta atarefada e no alvo da imprensa e dos meios de comunicação. A bola da vez - neste caso, “as bolas da vez” - fica por conta da mais nova artimanha para alavancar a audiência de um dos programas mais estúpidos da televisão mundial, o BBB, sigla de Babacas, Boçais e Banais, que não sabemos ao certo se é referente aos participantes do programa ou àqueles que o assistem. Se você não mora em Marte ou não esta em estado de coma, é impossível não ser absorvido pelo tal escândalo do “estupro” em cadeia nacional. Ao meu ver, numa jogada de marketing inescrupulosa, a população do país se viu “horrorizada” frente a cenas de um brother (como gostam de ser chamados) e uma sister (idem), completamente alcoolizados, brincando de fazer neném debaixo de edredons, peça chave destes programas. Até aí o espanto fica por conta da hipocrisia, já que somos um dos países onde mais se respira sexo, porém, algum gênio de uma entidade pró-bobagem qualquer, deduziu que a moça estava dormindo durante o ato e chamou a isto de estupro e ai a imprensa preguiçosa e que tudo copia, endossou! O circo estava armado. Policiais imediatamente invadiram a casa de vidro para colher depoimentos e vestígios; programas de fofoca começaram o ano com o ibope em alta; jornalistas da geração “control C – control V”, colaram a notícia em 5.984 sites; o moço acusado de estupro fora expulso do programa e a pornochanchada de quinta estava no ar. Como um humilde observador dos fatos eu creio que quando duas pessoas se embriagam, se beijam e vão de comum acordo para uma cama trocar carícias, e num imprevisto uma delas dorme no ato, conclui-se que ou a outra não teve uma performance agradável ou no máximo poderia ser considerada necrófila, mas não estupradora. Se bem que se contar como necrofilia, o ato de fazer sexo com pessoas que tiveram morte cerebral, creio que grande parte dos amantes de alguns BBBs e ex-BBBs, seriam condenados por tal crime. Para os pseudo-intelectuais e ativistas de plantão, uma história tão patética quanto esta vira reflexo de problema social. O moço é acusado de estupro porque é negro e a menina, que de santa não tem nem a proteção,se torna a virgem violentada, a bela adormecida do novo milênio. Alguns (de) formadores de opinião querem cadeia até para o diretor do programa, Boninho, por incitar a violência sexual. E o circo vai criando ares de mega espetáculo onde pelo avesso o BBB conquista mais seguidores e garante assim a publicidade para o BBB 13 no próximo ano. A Globo astuta como sempre, constrói com a graça da audiência a sua Geyse Arruda e o seu Alexandre Frota genéricos e o país perde tempo e energia em mais uma discussão inútil, sem o menor sentido, enquanto na outra linha, na mesma semana, só que do Reality Life,
assassinos condenados recebem indulto da justiça e matam mais pessoas nas ruas; uma professora entrega uma prova do ENEM em branco, recebe uma nota maior que a mínima e ao questionar o fato junto ao órgão responsável, é surpreendida ainda por um email, repleto de erros de português; o ministério da Integração entrega 4,3 milhões para uma ONG fantasma; na Cidade de Guarulhos uma igreja evangélica demonstra muito mais poder que o prefeito e interdita uma das maiores rodovias do país, com seus cultos e para fechar esta suruba, surge uma falsa grávida, que de má fé arrecada doações aos filhos que nunca existiram. Com tudo isto, meu caro leitor, fica provado que o bom senso, a integridade e a inteligência são estupradas diariamente e todos nós somos vítimas. Quer dizer, todos, menos Luíza, já que esta com a ajuda de seu rico pai, nos estupra lá do Canadá.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

A LEALDADE É UMA VELHA CHATA E CARETA QUE AINDA ME SEDUZ



Como cinéfilo assumido, não há melhor época do que o primeiro trimestre do ano, para se ver bons filmes, pois em função do Oscar, é o momento de grandes atores, diretores, roteiristas, e toda turma da sétima arte pôr na mesa o manjar de idéias e imagens. O primeiro filme que vi no ano,logo no dia um, já projetou esperanças de que a safra 2012 promete. Tudo pelo Poder é o quarto filme dirigido pelo galã politizado, George Clooney, que também assina o roteiro e ainda atua no filme. Clooney é o governador Morris, candidato democrata que tenta em campanha conseguir a indicação de seu partido para concorrer à Presidência, e qualquer semelhança com Clinton ou Obama não é coincidência alguma, pois é notório o apoio direto e simpatia de Clooney aos democratas. A trama gira em torno dos intestinos da política, onde o ator canadense Ryan Gosling (excelente ator e a grande promessa de Hollywood), interpreta o porta-voz e assessor de imprensa do governador Morris, sob a tutela do veterano Paul Zara (Philip Seymour Hoffman). Idealista e ambicioso, o jovem se vê no meio do redemoinho da política se deparando com uma jornalista calculista (Marisa Tomei), o gestor da campanha adversária (Paul Giamatti), um senador lobista (Jeffrey Wright) entre outras peças deste xadrez macabro que é a política, onde o povo, seja ele qual for, sempre acaba em xeque. O pivô da trama claro, também é uma estagiária, brilhantemente interpretada por Evan Rachel Wood, mas apesar do elenco descomunal, do roteiro inteligente e da direção precisa deste thriller político que prova que o poder não é, de maneira nenhuma, território exclusivo dos políticos e sim algo inerente à natureza humana,o foco da história acaba sendo outro: a lealdade. Que esta palavra não figura bem entre o mundo da política, seja nos EUA, aqui ou no Zaire, não é novidade alguma, mas o problema é quando esta palavrinha vai se apagando e sumindo do vocabulário da humanidade. Ai a coisa começa a preocupar. A lealdade virou careta, coisa de geração passada. Caiu em desuso, enquanto sua prima-irmã, a hipocrisia, anda cada dia mais na moda. Hoje em dia só se é leal ao sucesso, à grana e ao time de futebol, de resto parece que ninguém mais se importa com isto e quem se importa, é visto como idiota, perdedor, sonhador, inocente, fraco, entre outros adjetivos readaptados para o mundo moderno. O oráculo do novo tempo, a TV, é a principal acionista do esquadrão contratado para exterminar do dicionário a pobre palavrinha “lealdade”, que já tá virando palavrão. Cultuam-se astros desleais, jogadores desleais, políticos desleais e até amigos desleais. Se torce na TV, em realitys banais, pelo mais desleal, afinal, quando se esta preso numa casa como se fosse cobaia, comendo, trepando e dormindo, o que importa é só o queijo, ou neste caso, os milhões em jogo e a lealdade, ah, esta vai pro paredão de fuzilamento. O atleta que é leal ao time é chamado de idiota por recusar as ofertas e ainda é vaiado pela torcida se comete uma falha, por menor que seja, em campo. O sócio leal é quase sempre enganado e o marido leal é o corno de amanhã, de acordo com a vizinhança. Afinal quanto vale ser leal? Qual a cotação de hoje da lealdade? Será por kilo? Self-Service? Fast Food? O que é ser leal? Num mundo onde se mata com crueldade cachorros que são a maior lição de lealdade para a estúpida raça humana, só me faz concluir que o homem de fato extermina tudo aquilo que o incomoda. A lealdade de entregar seu coração aquilo que ele acha importante se dedicar, independente das tentações alheias, incomoda o homem dos tempos modernos, então em contra-partida se mata quem é leal e o que é leal. Matam-se cães, mata-se o amor, mata-se até fé em algo e mata-se toda e qualquer forma de lealdade. Só um tipo de lealdade é imbatível e infalível, que é ser leal à uma única lição, que sozinha vale pelos Dez Mandamentos: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”, afinal, ninguém em sã consciência aprecia um desleal para consigo, não é?

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

O PODER DA INFÂNCIA NUTRIDA



E mais um ano se inicia e novos desafios serão traçados e novas derrotas e novas vitórias surgirão. Como corredor, devoto de São Silvestre, passei meu reveillon correndo ao lado da minha irmã,nesta que é a prova de corrida mais famosa e mais bacana de SP. O novo trajeto não agradou, mas serve como metáfora para a vida, pois as vezes os caminhos são modificados por forças maiores e mesmo sendo desconfortáveis para nós, servem de aprendizado e se tornam provedores de novas emoções e surpresas. O triste é você após ter lavado sua alma com o suor decorrente dos 15 kilometros percorridos, circular pela Paulista pós-corrida e observar diversas pessoas dormindo na rua, no frio, sendo ignoradas por todos. Será que um dia este nosso mundo vai criar jeito? Será que a felicidade de uns poderá não vir a ser mais a infelicidade de outros? Qual a lógica do acúmulo excessivo de riqueza e a da falta de bens básicos em outra ponta? Eu confesso que por ser ignorante e não compreender esta matemática, choro. Talvez por ser bobo, por não ter crescido o bastante para compreender que no mundo capitalista o que importa é o multiplicar e jamais o dividir. Um mundo onde se veicula na TV um programa estúpido onde cinco mulheres mais estúpidas ainda esbanjam toda sua fortuna e futilidade, como se vivessem em outro planeta. Claro que um planeta mais estúpido ainda que o nosso, como se isto fosse possível. Por sorte ainda há pessoas, poucas, muito poucas, mas que ainda se importam em fazer o bem e porque não, realizar o sonho de outras. E falo de pessoas que não gastam mil reais numa garrafa de champagne brindando o nada na Oscar Freire em frente a uma criança de rua chorando de fome (eu vi esta cena e com uma das protagonistas do programa tosco sobre mulheres ricas), mas sim de pessoas com um poder aquisitivo bom, por obterem sucesso em sua área de trabalho, mas que não congelaram seu coração para o próximo. Pessoas como um grande amigo meu que realizou o sonho de uma criança que viveu momentos complicados e de certa forma terríveis, mas que foi agraciada graças a este amigo, com uma viagem de sonhos e o presente de memórias eternas de extrema felicidade que sem sombra de dúvida sobrepõe-se sobre qualquer outra. O mundo encantado e mágico de Walt Disney tem este poder de renovação e de construção de boas e sólidas memórias. Os idiotas vão se ater ao fato de Disney ser clichê demais, como se a fome, a miséria humana e a indiferença também não fossem clichê nesta nossa sociedade. E convenhamos um clichê bem mal cheiroso. Fico com o perfume nostálgico da fantasia Disney, onde todo dia é celebrado como ano novo, com um espetáculo de fogos, renovando assim sua alma para o dia seguinte. Seria como aniversariar todo dia, afinal todo dia aprendemos algo e todo dia temos de celebrar a sorte de estarmos aqui. No mundo mágico de Walt Disney tudo que é, por sua vez, não seria e o que não fosse, por sua vez, seria. Animais agem como pessoas, bonecos falam, casas se mexem, castelos mudam de cor, de tamanho e de textura, tudo para deleite dos seus olhos, mas ainda mais para alimentar sua imaginação e construir sorrisos que trazem com ele a esperança. Como diria Peter Pan, é só pensar numa coisa boa que num instante você voa. Recentemente cientistas descobriram que vivemos mais, se eliminamos de nossa memória os maus momentos. De acordo com a ciência, mude seu passado para melhor e viva muito mais. Sei que a vida não é nada fácil, mas uma colherada de açúcar sempre ajuda o remédio a descer mais fácil. Espelhe-se num doce sorriso dado na infância e o imprima na sua alma. Arregale um sorriso maior do que o do gato da Alice, mas não se esconda atrás desse sorriso e sim, mostre o que você é e quem você é! Não feche os olhos para a sujeira do mundo, e mesmo que se ache incapaz, faça algo para limpa-la, para mudar as regras impostas e que você não concorda. Olhe a sua volta e veja o quanto pode ser mudado e como você pode fazer alguém feliz. Qual a última vez que você deixou o seu coração decidir algo? Qual a última vez que você foi o escultor de um sorriso na boca de uma criança? Será que não está na hora de deixar se levar pelo capitalismo desenfreado de acumular e acumular para nada? Não importa o quanto seu coração esteja aflito, pois enquanto você acreditar, o sonho há de se realizar. Nas palavras de Shakespeare: “... o amor é como a criança: deseja tudo o que vê.” E às vezes até consegue, mas mesmo assim, não desiste nunca. Ame como uma criança! Viva como uma criança. Sorria como uma criança e acima de tudo, não se leve tão a sério. Viva seu sonho da infância. Aquele escondido num canto da sua mente e que nunca se apagou. Está só esperando você chama-lo para brincar. Um sonho é um desejo que seu coração faz não apenas enquanto você estiver dormindo, mas sempre. Nos sonhos você abrirá seu coração e o que quer que deseje para você, você terá.



Texto dedicado à família Gerstner