Follow by Email

quinta-feira, 23 de julho de 2009

A MINHA MULHER INVISÍVEL



A nova promessa de bilheteria do cinema brasileiro é o filme “A Mulher Invisível” dirigido por Claudio Torres da excelente Conspiração Filmes e que trás no elenco Selton Mello e a estonteante e desejada Luana Piovani - no papel-título – que infelizmente, já adianto, tem a sua nudez completa invisível aos nossos olhos. A história é universal, bem contada e romântica. Selton (engraçadíssimo) interpreta Pedro, uma cara comum e sensível, que acredita no amor, mas sofreu uma decepção – leia-se chifre - as vésperas do seu casamento. Depressivo, se isola do mundo e depois de meses, só volta à vida quando escuta baterem em sua porta. É a mulher mais linda do mundo – correção: a segunda mais linda (Luana Piovani), já que a primeira é a minha namorada evidentemente - pedindo uma xícara de açúcar. Pedro se apaixona por aquela mulher perfeita, que tem apenas um único defeito: ela não existe! Ou será que existe? Afinal quem define a existência de algo ou de alguém para uma pessoa além dela mesma? Filósofos e pensadores já disseram que tudo aquilo em que se acredita, existe, portanto a mulher imaginária (ou homem, claro) pode estar respirando ao seu lado enquanto lê esta coluna. O filósofo Jean-Paul Sartre era um adepto deste pensamento imaginário - se bem que há provas mais do que concretas de que Simone de Beauvoir de fato existiu – pois afirmava que “Cada homem deve inventar o seu caminho, afinal o homem não é nada mais do que aquilo que faz e cria a si próprio. É livre, escolhe, ou seja: inventa.” Seu colega de profissão de séculos passados, o grande Descartes, resumiria isto numa única frase: Se você pensa, logo ela existe! O problema do final de uma relação entre seres absolutamente visíveis e não imaginários (será?) é que quando o outro vai embora, além de deixar saudades leva tudo que a gente tinha de melhor: nosso sorriso, nossa emoção, nosso lado criança, nossa sexualidade e claro o pior de tudo, nossa auto-estima. Mas eis que surge nossa mulher invisível e trás em sua bagagem tudo de volta para que possamos voltar a sermos quem de fato éramos, ou melhores ainda. A mulher invisível não apenas alimenta nossa imaginação, mas dá vida aos nossos sonhos. Ela nos faz crer que o mundo se torna muito mais fácil sob a sombra do sorriso dela. O beijo da mulher invisível tem o gosto da sedução e sua boca é fonte de mel inesgotável para adoçar nossos dias e lambuzar as nossas noites. Ela vasculha sua biblioteca e se encanta com seus livros. Ela troca o cd da Enya que você pôs no aparelho para dar um clima romântico e coloca Aerosmith, pois a excita. Na madrugada, você sem sono vai pra sala e ela chega ali, apenas de camisola transparente e pede para você por um filme do Woody Allen porque ela também acha ele o máximo e depois ainda quer discuti-lo com você ao som de Duke Ellington ao fundo e um bom vinho chileno que da taça vai pra boca dela e de lá vai pra sua por onde o vinho escorrega e a alma agradece embriagada. Ela diz que tua boca tem formato de coração, que teu sexo é o maior e mais viril do planeta, a ponto de causar inveja ao Rocco Siffredi, e claro, depois disto, vocês fazem amor madrugada afora. Pela manhã ela lhe trás suco de laranja, frutas e pães na cama e diz que prefere seu cabelo cumprido e despenteado, pois assim você lembra o Mick Jagger, que aliás, ela acha lindo e sexy e isto novamente a excita e vocês começam o dia fazendo amor (novamente) e o sol sorri mais belo para o mundo. Claro que a mulher invisível também pode lhe ser infiel em sua imaginação com homens visíveis, mas também imaginários como Brad Pitt, Jude Law e até mesmo o asqueroso Axl Rose. Mas não se importe com isto, afinal em sua vasta imaginação você também deve ter sido infiel inúmeras vezes com deusas também visíveis, mas inacessíveis até o presente momento, como Angelina Jolie e Mônica Bellucci. O problema é quando a traição extravasa bem além da sua imaginação e outros utilizam também sua mulher invisível, e aí você terá depois de apagar isto de sua imaginação ou da realidade, afinal ambas se confundem quando se ama e cria-se a mulher ideal. Mas que importa? Ou você crê numa mulher criada por você ou você não crê nem em você mesmo. Das duas maneiras você pode ter razão ou não, “caetaneando” aqui este seu colunista.
A mulher invisível te satisfaz e permite satisfazer-se com você. Ela tem interesse nos seus assuntos e até dá palpites quando tem de dar. Acredita nos seus projetos e junto com você ela investe neles e te empresta força necessária para realizá-los e conquistar o que almeja com eles. Mas como nem tudo é um mar de rosas, nossa mulher imaginária pode apresentar também alguns defeitos de fábrica, visíveis aos olhos de todos, mas que devem permanecer sempre invisíveis para nós, para que possamos seguir felizes nesta jornada levemente imaginária, ou não. O segredo, meus amigos (as) é ser feliz e acreditar sempre em você, nela e em tudo que lhe faça bem, imaginário ou não. Claro que as más línguas masculinas irão tentar te provar que mulher ideal não existe, porém se estas línguas não fossem más e soubessem fazer a lição de casa (ou de cama), mudariam de postura, se é que me entendem. As moças (invisíveis ou não) me entenderam. Talvez o dia que os homens ao invés de tentarem achar o invisível Ponto G entre as pernas de uma mulher, descobrissem o visível Ponto G no tímpano delas, a mulher ideal ou imaginária ou invisível como queiram chamar, estaria bem mais próxima da realidade. Eu encontrei a minha e estou satisfeito, portanto meus nobres sete leitores, se me flagrarem por ai de braços dados com o nada ou beijando o vento sem parar, não me incomodem, por favor, e nem tirem meu belo sorriso dos lábios, pois creio estar ao lado da mulher mais linda e mais interessante que já sonhei em ter: a minha mulher invisível! Que a magia do amor nos torne mais do que visíveis um ao outro e que a chance de perdermos aquilo que encontramos e que nos faz tão bem não seja apenas invisível, mas sim inexistente para que nossa felicidade, esta sim, seja invisível aos olhos dos invejosos e eternamente perceptível aos nossos corações apaixonados.

domingo, 12 de julho de 2009

CONFISSÕES DE UM MACHO



Recentemente li “O astro sombrio de Hollywood” - a biografia de Heath Ledger lançada no Brasil há alguns meses - e conclui o óbvio: num mundo de artes tão repleto de pessoas sem talento algum, é lamentável perder um astro com todos opcionais. Ledger era brilhante em seus trabalhos e prova maior disto fora sua versão do Coringa em Cavaleiro das Trevas - já descrito nesta coluna e agraciada com Oscar - e o divisor de águas de sua carreira: o lacônico personagem Ennis Del Mar do polêmico “Segredo de Brokeback Mountain”. É triste saber que o cinema perde um ator deste calibre com esta coragem e vontade suprema de enfrentar personagens difíceis e introspectivos. Para quem recusou milhões de dólares para ser o Homem Aranha, porque não se sentiria bem pulando prédios vestido num collant justíssimo, aceitar interpretar o fardo de um cowboy macho apaixonado por outro cowboy macho é no mínimo de uma opinião contestadora e bravamente admirável. Sem ser pejorativo, digo cowboy macho no sentido mais explícito da palavra: homem de atitude e coragem. Há uma diferença enorme entre o machão e o macho. O primeiro fala alto, grita, vive em bandos, ofende a esposa, só fala de futebol e jamais demonstraria sentimentos porque isto não é coisa de machão, enquanto que o segundo tem coragem de enfrentar as situações mais adversas; tem espírito de menino, bravura de guerreiro, mas acima de tudo não tem vergonha de chorar quando preciso for e de amar acima de sua limitação de compreensão herdada do homem de Neandertal. A comovente história de amor entre Ennis Del Mar e seu colega Jack Twist (o competente ator Jake Gyllenhaal) nos toma de assalto e nos prova de que o amor - sentimento muito mais indomável do que qualquer cavalo bravo de rodeio - quando chega não nos dá a opção de escolha. É o sentimento mais democrático e ao mesmo tempo mais ditador que existe. Este tal de amor, nos coloca à prova quando menos esperamos e tem a força e o poder absoluto de fazer com que um judeu se apaixone por uma palestina, que um corintiano ame uma são paulina, que padre morra de amores por uma prostituta, que um líder da ku klux klan se derreta no colo de uma negra e porque não, um amor que faça com que dois homens ou duas mulheres não consigam controlar este sentimento desenfreado e se entreguem a total paixão, mesmo que proibida aos olhos de uma sociedade falida, mas pragmática, que coloca o dedo na ferida que ela mesma causa com sua lança afiada de intolerância, dogmas e preconceitos. Falando em preconceito, muito homem se recusou a ver o filme por ser um filme de gays, mas não nada de gay nesta história, no sentido alegre, ou paródico do termo e muito menos se levanta bandeira – sem piadinha de duplo sentido - ou tenta influenciar alguém a mudar de opção sexual. Ninguém ali curte uma perversão ou uma sacanagem. Transcende um pouco isto e vai muito além de onde a imaginação do machão consiga chegar, pois é um filme dominado por um violento e poderoso amor. Amor de “macho” que talvez assuste “machões” influenciáveis, daqueles que seguem o rumo da conversa dos amigos, aqueles que espancam um torcedor adversário porque os “amigos” de torcida acham que é o correto, aqueles que mentem sobre suas aventuras sexuais com mulheres apenas para impressionar os amigos na roda e serem aceitos por eles, estas pessoas sim tem de temer verem um filme e serem influenciadas, afinal se dois cowboys, símbolos de macheza pura sucumbiram a este prazer involuntário e animalesco, quando um desejo milenar explodiu entre eles, imagine você meu caro amigo “macho pero no mucho” como seria mais fácil se entregar a tal sentimento “influenciável”. Portanto, aqueles que assim como eu, estão resolvidos sexualmente, amam suas namoradas, esposas e amantes heterossexuais e não se sentem constrangidos em se emocionarem por uma bela história de amor, recomendo o filme, que é uma reflexão sobre a ânsia de desejo que nos move para os outros, sobre a vontade animalesca e irrefreável da busca pelo prazer absoluto, contido no amor ente dois seres apaixonados, sejam eles heteros ou homos, não importa, pois o amor não se define; sente-se. Você curte pagode e ela é fã de Miles Davis. Você ama os filmes do Van Damme e ela viu e reviu a trilogia das cores de Kieslowski. Você curte revista pornô e ela estuda sexo tântrico. Você curte uma balada e ela um jantar na casa de amigos. Você é gordo e está ficando calvo e ela linda e com um corpo de deusa. Meu caro, graças a Deus o amor de fato é inexplicável, pois só isto explicaria você ter alguém assim do teu lado. É um sentimento humano por outra pessoa elevado ao grau máximo de admiração, onde geralmente não se escolhe, se é escolhido. E não tente compreende-lo pois qualquer pergunta permanecerá retórica. Quem somos nós para julgar um ato de amor, se aquilo que se faz em nome dele estará sempre além do bem e do mal. Brokeback Moutain pode ser apenas uma metáfora para as colinas de dúvidas e incompreensões que habitam o vale montanhoso de nossa solidão, onde o amor em horas irradia de sol, em outras ilumina como lua cheia, em outras ataca com fortes tempestades, nos dá flores, transforma-nos em desertos, não importa, o fato é que ninguém está livre deste sentimento. Nietzsche, um dos maiores filósofos que o mundo conheceu - que chorou e morreu de amor também - afirmou que até Deus tem um inferno: é o seu amor pelos homens.


segunda-feira, 6 de julho de 2009

JEANS CHARLES FOI NOSSO 11 DE SETEMBRO



Bem amigos da Lavoura Arcaica, mas o que é isto companheiro? Começa o jogo e já tem Caramuru no céu. E lá vai o caricato Chicó que dá um drible em Lisbela e lança a bola pra Leléu, o prisioneiro, que mesmo desafinado e cheirando ralo passa a bola para Johnny Estrela, o camisa dez que dá um chapéu na mulher invisível e manda um Feliz Natal de bandeja pra Jean Charles que chuta contra o goleiro inglês e é gooooooool. Mais um gol do time de fominhas do cinema: Selton Mello Futebol Clube. Pois é, meus queridos sete leitores e aqui ouvintes deste jooooogo espetaculaaaar...Mais uma vitória nas mãos (ou pés) do grande ator Selton Mello em mais uma produção nacional do cinema que leva o nome do jovem como protagonista. Aliás, são tantos filmes com Selton que se forem filmar no Brasil a vida e morte de Michael Jackson, não se admirem se ele for o Michael. Mas nos atendo ao mais recente trabalho do ator, esta coluna hoje divaga sobre Jean Charles, do estreante (na ficção, já que seus trabalhos anteriores são documentários) diretor Henrique Goldman sobre a vida e morte (estúpida) do brasileiro executado em Londres. O filme, que havia sido encomendado pela rede estatal britânica BBC, foi cancelado por questões legais e divergências artísticas com o diretor, pois ele queria privilegiar o ponto de vista brasileiro da história (e o fez), enquanto a BBC queria algo com a visão inglesa do caso.
Independente de qual hemisfério venha esta visão, a verdade é uma só: Jean foi executado covardemente por policiais incompetentes. Fato este já indiscutível para o mundo, incluindo a Inglaterra que apesar de não condenar os assassinos – o que mostra que impunidade não é produto nosso apenas – tem a sua opinião pública favorável a família de Jean. Apesar do filme ter evidentemente seu enfoque no assassinato do jovem, o filme também é um retrato do cotidiano de brasileiros que tentam uma vida mais digna, fora de seu país. Um Brasil que já foi feito por imigrantes e hoje, infelizmente, produz um número infinito de emigrantes devido sua condição pouco favorável no mercado de trabalho. Um país injusto onde o corporativismo e a corrupção ainda imperam em todas as esferas prevalecendo a incompetência em diversas áreas e ocasionando uma fuga desesperada daqueles que com um diploma (as vezes dois ou três) nas mãos se vêem obrigados a lavar pratos num país distante para ter uma dignidade maior e poder assim sustentar os custos de uma vida menos ordinária. Poucos filmes mostram a visão do brasileiro fora de seu habitat e Jean (o filme) cumpre bem o seu papel com atenção especial ao ator Luis Miranda que com seu personagem não só rouba a cena - levaria facilmente um Oscar de coadjuvante, caso um dia nossas produções tivessem o mesmo respeito e admiração da Academia quanto às de outros países – como nos revela o retrato fiel do brasileiro humilde, com uma cultura pobre, simples, jogado mundo afora pra dar uma vida melhor a sua família aqui. Suas tiradas no filme são geniais demonstrando a sabedoria popular dentro de tamanha humildade. É o que temos de melhor sendo exportado para ser uma espécie de escravo do novo milênio. Lá fora as comunidades estrangeiras funcionam como verdadeiros consulados e às vezes até muito mais precisos e funcionais com os que lá estão do que o oficial. Fora de nossa pátria nos sentimos mais carentes e portanto nos abraçamos mais, uns ajudando os outros, como verdadeiros irmãos filhos de uma mãe não muito gentil que insiste em descansar num berço explendido enquanto a casa rui. Mas nestas comunidades nem todos são confiáveis e muito menos lutam por uma vida melhor lá e cá. A estirpe do mal caráter rompe fronteiras e infelizmente tem o passaporte carimbado em qualquer alfândega, pois ainda não criaram o raio X de alma. Portanto é difícil saber num mundo globalizado e quase que homogêneo quem de fato é bom, quem de fato é mal desde que a onda terrorista pós-onze de setembro assim como um Tsunami inundou a razão e a inteligência de órgãos governamentais criados para conter tal atividade ilícita e hedionda e não equiparar-se a tal como foi feito pela polícia da Inglaterra, quando o assunto é crueldade, preconceito e intolerância. Jean foi covardemente derrubado na mesma proporção que as torres gêmeas e os milhares de vítimas nos EUA com esta tragédia se equivalem aos milhares (ou milhões) de estrangeiros pelo mundo afora que se sentiram derrubados com tamanha tragédia e covardia. Se a intenção era conter o terrorismo, a polícia da Inglaterra conseguiu o inverso causando ela mesma um terror na mente de seus estrangeiros que viverão com a eterna dúvida mortal de serem fuzilados por engano, afinal qualquer um pode ser confundido com um terrorista, ainda mais quando este terror não tem rosto e muito menos pátria definida. Nosso povo pode até ser um pouco malandro, como Jean era na Inglaterra, mas um malandro do bem. Bom coração, boa pessoa, que perdido no meio de tanta injustiça social tenta se virar e sobreviver, mas não temos nem de longe fama de assassinos psicopatas e muito menos terroristas. Não temos vocação para este tipo de coisa e nem uma causa “justa” para lutarmos com tamanha ferocidade. Deus é brasileiro, mas abençoa o mundo todo. Nosso Cristo recebe todos os povos de braços abertos, sejam franceses, ingleses, iraquianos, não importa. A maior prova para o mundo de que não temos vocação para terroristas é ver nosso Congresso Nacional intacto. A única bomba que insistimos em detonar, caros amigos ingleses, em atos suicidas, ainda se chama URNA e seu detonador é o VOTO. Até quando seremos eternos terroristas de nós mesmos?