Follow by Email

sábado, 25 de outubro de 2008

AND THE OSCAR GOES TO....VIOLÊNCIA BRASILEIRA


Estréia este final de semana nos cinemas o filme, Última Parada 174, nosso representante no Oscar e claro mais uma vez mostrando a miséria, a violência e claro nossas favelas que representam nosso Central Park, nossa Torre Eiffel nosso Notting Hill. É incrível como nosso país com cidades tão belas, monumentos imponentes, parques arborizados, bares descolados, pessoas interessantes, só consigamos vender a imagem em película pro exterior de que somos um país em guerra civil no meio de uma favela. Nada contra o filme, apesar de achar que esta história já deu o que tinha que dar e mostrada em detalhes no documentário Ônibus 174, mas será que desta vez a Academia se sensibilizará com nossas “histórias” ou vamos de te de juntar Zé Pequeno e Sandro pra fazerem um arrastão no meio daquela gringolada cheia de glamour e assim trazer nossa estatueta na mão grande? Fico imaginando a imagem que estes filmes fazem de nosso país. Quando estive nos EUA por um mês percorrendo cidades para gravar o CINELÂNDIA o que mais ouvi dos americanos foi: “Brasil lindo....mulheres....comida...mas muita violência....muiiiita...” Será este mesmo nosso retrato? Não sei ao certo se mulheres e comida pra eles eram uma coisa só, já que vendemos uma bela imagem de prostituição também ao exterior, principalmente com relação à prostituição infantil, uma triste vergonha (mais uma) de nossa pátria, mas o fato da violência é assunto constante na opinião de americanos quando se fala em Brasil. Esta semana que passou infelizmente - felizmente pra algum cineasta que já enxergou o OSCAR nesta história – mais um caso de violência que chocou e mobilizou nosso país: o caso da menina Eloá. Desta vez ao menos o roteiro de cinema já veio pronto na própria história misturando excelentes referências pra diretor nenhum reclamar. Um namorado abandonado resolve invadir a casa da namorada e discutir a relação. Adrian Lyne poderia escrever o roteiro, Arnaldo Jabor os diálogos e o Bergman dirigir a película, que poderia ser lenta, mas faria com que casais discutissem a relação pós-sessão. Porém uma arma carregada, uma terceira pessoa -uma amiga do casal- e um seqüestro declarado mudaram o rumo da história. Como se fugíssemos do cinema pra TV em questão de minutos, um Big Brother macabro é exibido quase em tempo integral por algumas e evidentemente editado por outras pra obter o efeito de reallity show. Uma hora as reféns gritam na janela, em outras aparecem sorrindo, depois surgem com óculos escuros, como se já fossem personalidades. Num certo momento um Al Pacino como negociador consegue que Lindemberg liberte uma refém, mas logo em seguida numa ação CORRA QUE A POLÌCIA VEM AÌ, ela é DEVOLVIDA pela polícia ao refém. Sem muitas esperanças de sucesso eis que surgem então Bruce Willis ou Clint Eastwood para botar ordem no terreiro e protagonizarem um desfecho feliz após muita emoção, ação e suspense, mas eis que contrariando as regras novamente, invade na tela a Loucademia de Polícia e o que se vê é uma piada de mau-gosto e com final trágico, conseqüência de uma ação tão atrapalhada que até o Inspetor Clouseau se envergonharia, caso estivesse à frente dela. Pra completar o roteiro uma dose de Almodóvar cairia bem, já que descobre-se que o pai da vítima é um procurado da justiça por ser acusado de liderar um grupo de extermínio, incluindo em seus homicídios a ex-mulher e o irmão de um chefe de estado. Este filme levaria o Oscar, podem ter certeza. No DVD poderiam ter finais alternativos. Num deles o Lindemberg era atingido no córtex e as meninas liberadas com vida, mas será que a polícia também não seria criticada por tirar a vida de um jovem trabalhador, sem ficha na polícia e que agiu desesperado pelo ciúmes? Em outro final alternativo, ele se entregava, escreveria um livro, viraria conselheiro do amor e as meninas protagonizariam a nova temporada de Malhação. Mas infelizmente o que vimos na tela da TV foi mais um final chocante, fruto de uma violência alimentada pela TV dia após dia. Pra fechar com um final digno de filme CULT, só faltou um dos apresentadores de programa policial na TV se emocionar e numa espécie de Darth Vader pós-moderno encarar o jovem Lindemberg e dizer: Lindemberg, EU SOU SEU PAI!

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

MEU AMOR, POR FAVOR, VOTE EM MIM!


E terminam as férias do controle remoto e a alegria das locadoras de vídeo, afinal acabou o hilário eleitoral gratuito. Se bem que em algumas cidades ele se mantem em função do segundo turno, porém menor. Dá pra alugar um desenho na locadora ou fazer palavras cruzadas. Afinal a democracia brasileira nos obriga a agüentar um bando de malas sem projeto algum tentando vender a idéia mais absurda possível para faturar seu voto e claro depois faturar o principal: a grana! Porque convenhamos, se realmente estes tais candidatos tivessem interesse mesmo em servir a sociedade, não deveriam receber salários e mais extras, mas sim se tornarem voluntários. Pergunta para mim se teriam 850 candidatos? Se teriam reeleições? Mas é claro, vê se alguém que ama tanto a cidade como eles dizem, faria isto de graça? Teve um dos novos vereadores eleitos, que registrou em cartório, que doará seu salário. Uma bela atitude que deveria ser copiada pelos seus companheiros de pleito, ou neste caso de peito! Experiências como esta, na política, significam revolução e o povo tem de ficar atento a estes detalhes. É preciso coragem para mudar a história de que política é a arte de captar em proveito próprio a paixão dos outros, e se um homem provar que pode trabalhar sim, sem receber nada, pelo bem de uma comunidade, porque não lutarmos para que todos façam isto? Afinal, ninguém é obrigado a se candidatar. Aliás para alguns seria um grande favor a nós que eles nem se candidatassem. Basta analisar a campanha e verá que muitos conseguem com piadinhas sem graça ou uma gravação tosca de TV, chamar a atenção de eleitores que dizem votar numa figura destas por protesto. Como assim? Protesto? Não seria mais fácil votar nulo? É meio estúpido isto, como se você abrisse a porta de sua casa aos ladrões, só pra protestar contra a polícia. Em Guarulhos as eleições até que correram bem e algumas figuras hilárias não conseguiram entrar, o que é menos mal. Se bem que projetos deixaram a desejar e o que mais se viu foram jingles vitoriosos, cestas básicas distribuídas em favelas e claro, votos religiosos. Teve aqueles também que se achavam influentes na cidade, personalidades, uma espécie de estrelas de Hollywood, talvez porque Los Angeles copiou da gente o letreiro no morro. Algumas destas estrelas até com um número ridículo de votos. Se bem que ridículo é o português de alguns candidatos , que após serem derrotados enviaram emails de agradecimento que na verdade eram uma afronta à nossa língua portuguesa. Candidatos que se caíssem de quatro no chão nascia uma carroça nas costas. Tiveram também aqueles que pintavam Guarulhos como a melhor cidade das Américas. Claro, saúde ele usa hospital particular, escola o filho estuda em colégio particular, segurança ele tem seguranças particulares, enfim, pra ele realmente os serviços básicos da cidade funcionam perfeitamente. E os que tiveram ZERO votos? Já imaginou algo parecido? Nem o próprio cara vota nele. Sei que o voto é secreto, mas adoraria saber em quem estas pessoas votaram, pois ou o candidato é muito bom mesmo, ou eles assumidamente são tão ruins que desprezam o próprio voto de confiança. Uma pena que no Brasil os políticos ainda confundam civismo com cinismo. A maioria deles em seus discursos, se parecem com uma cidade cenográfica da Globo: é tudo fachada!
Por isto meus caros sete leitores, que com certeza votariam e mim e olha que eu já teria mais votos que muita gente que se achava importante (impotente) na cidade, não sei se a gente nasceu com uma puta sorte ou com uma sorte de puta, mas se o velho Descartes ainda estivesse vivo, mudaria sua célebre frase: “Penso, logo existo!” para “Penso, logo, desisto!”



PUBLICADA NO JORNAL GUARULHOS HOJE DIAS 11E 12 DE OUTUBRO DE 2008

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

REBELDIA ADMIRIVÁVEL



Na semana passada os céus de Hollywood ficaram um pouco mais escuros, já que uma de suas estrelas principais, se apagou. Morria Paul Newman, o eterno Indomável. Me lembra a canção de Vinicius que dizia: ahhh se todos fossem iguais a você! Paul Leonard Newman nasceu em 26 de janeiro de 1925, filho de um comerciante de artigos esportivos. Começou seus estudos de arte dramática após ter sido dispensado da marinha. Foi aluno do Actors Studios, que já formou gente como Marlon Brando e Al Pacino, e assim como estes dois atores, a primeira chance no cinema surgiu depois de ser visto na Broadway, porém achou seu trabalho tão medíocre que publicou um anúncio de página inteira num jornal pedindo desculpas a quem tivesse visto o filme. Esta era a primeira de muitas atitudes do indomável Paul Newman que ficou conhecido no Brasil após fazer o boxeador Rocky Graziano no filme Marcado pela Sarjeta. Daí pra frente se tornou um astro de Hollywood com um currículo invejável de filmes e de prêmios, entre eles o de melhor ator em Cannes pelo filme Mercador de Almas e depois dois OSCARS seguidos. Em 1985 depois de ser indicado dez vezes ao prêmio, levou a estatueta pelo conjunto de sua obra e aí pra surpresa de todos em 1986 levou pelo filme a Cor do Dinheiro, ao lado de Tom Cruise com trilha sonora de Eric Clapton. Uma de suas maiores parcerias foi ao lado de Robert Redford com quem fez Butch Cassidy e depois Golpe de Mestre, que levou Oscar de melhor filme. Seus últimos trabalhos no cinema foram os filmes Carros da Disney e Estrada para a Perdição. No primeiro emprestou sua voz ao personagem Doc Hudson e no segundo contracenou com Tom Hanks, e claro roubou a cena. Aliás a cena de seu assassinato é uma das atuações mais impressionantes do cinema onde um simples olhar diz tudo: ai está o GRANDE ATOR. Fora das telas, Paul Newman também teve uma vida digna de um belo filme, pois nunca foi adepto ao estrelismo de HollyWood e sempre se dedicou ao trabalho, seja ele como ator e diretor, ou como empresário, no comando da Newman's Own, fabricante de molhos e condimentos muito conhecida nos EUA, já que ao invés de promover algum produto usando sua imagem ele preferiu usá-la para promover o SEU produto. E deu certo, afinal ganhou muito mais dinheiro que no cinema, porém dedicou quase todo o lucro à obras de caridade e à sua equipe de corridas de Fórmula Indy, a Newman-Haas Racing, pois apesar de ser daltônico, Newman também foi um grande piloto, vencendo inúmeras provas, como por exemplo as 24 Horas de Daytona, aos 70 anos de idade. Na política, o indomável Paul tambem foi conhecido por seu apoio a causas liberais nos EUA. Nos anos 60, apoiou o democrata Eugene McCarthy (político dos hippies e contra a Guerra do Vietnã), estrelando diversos comerciais de televisão a favor do candidato, o que fez com que Richard Nixon, o adversário de McCarthy, o colocasse em 19º lugar numa lista de seus piores inimigos, o que fez Newman declarar que esta seria uma das maiores honras de sua vida. Ator magnífico, empresário de sucesso, altruísta convicto, foi vencido aos 83 por um câncer no pulmão, que Newman, assim como toda sua vida pessoal, manteve em segredo. Recebido com honrarias no céu pelo conjunto das obras em vida e não só nas telas, vai deixar saudades. Ao homem que nunca parou: descanse (se conseguir) em Paz!


PUBLICADA NO JORNAL GUARULHOS HOJE DIAS 04 E 05 DE OUTUBRO DE 2008