Follow by Email

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

CABEÇAS DE ABÓBORA FATIADAS



Para quem achava que Mike Myers - serial killer da série Halloween - era um dos maiores psicopatas do mundo, deve ter ficado espantado em saber que os executivos da Playarte – até quando vão existir executivos? – dilaceraram 26 minutos da nova versão de Halloween, ou seja, muito mais tempo de que o próprio Myers dilacerou vítimas na história. Jack Nicholson já havia publicado que nos EUA a censura de filmes funciona de maneira estranha, porque se no filme há uma cena onde um homem beija os seios de uma moça, a censura é de 18 anos, mas se em outro filme este mesmo homem fatia com um machado o seio da moça em pedacinhos, a censura é de 14 anos. Bom, em cima da indignação do “iluminado” ator, conclui-se que amar alguém nos EUA choca muito mais do que matar alguém, ou talvez a mensagem implícita seja que para ser feliz, basta simplesmente desligar suas emoções e se tornar psicopata. Talvez esta teoria explique porque a América é a capital mundial dos serial killers. Afinal, só os psicopatas são felizes pois não possuem emoção alguma e pensam apenas em si, desprezando o próximo, assim como nossos digníssimos senadores! Já que citamos nossa santa terrinha, aqui o sexo é liberado no cinema (nas salas não, portanto cuidado), já a violência no cinema é proibida e censurada mas no noticiário sanguinolento das seis da tarde o sangue é liberado e nem precisa ter a presença de um maior ao lado na sala. Aliás, em nosso país menor de 14 anos não pode ver um filme violento, mas pode praticar atos violentos iguais ou piores aos do filme, pois nossa lei é uma mãe para jovens infratores assassinos, assim como é uma mãezona italiana para nossa classe política. Mas deixando nossos trombadinhas (novos e os velhos) de lado e nos focando na figura do psicopata Mike Myers, este remake da obra de John Carpenter, dirigido por Rob Zombie (um grande diretor do gênero) se perde completamente com estas alterações e cortes mal feitos, destruindo todo o contexto da história e evidentemente sua qualidade estética, transformando o filme em praticamente nada. Me remeteu aos tempos do saudoso Sala Especial, quando os clássicos da pornochanchada eram exibidos na tela da TV e você se decepcionava após agüentar 20 ou 30 minutos de blá, blá, blá para ver uma cena de sexo e quando esta chegava, eles cortavam, aliás, junto com o seu tesão. Os executivos (executados pela empresa, espero) da distribuidora do filme no Brasil, assim como os políticos de nosso senado pouco se importaram com a opinião pública. Deram as costas ao respeito pelo espectador, o que é mais uma estupidez sem fim, já que nos dias de hoje o cinema vem perdendo público para as versões piratas, porém integrais dos filmes, portanto o momento é de reconquistar o espectador e não afastá-lo como estes gênios fizeram. É meus amigos, Myers no comando de uma empresa destas já tinha cortado cabeças, até porque Justus cortou inúmeras cabeças e ainda foi promovido ao SBT com salário milionário. Mas talvez a censura esteja na moda, afinal o governo censurou o corte do bigode do Sarney e praticamente censurou também a nossa esperança de um dia ter um senado no mínimo ético, já que exigir um senado honesto seria pedir demais. Nas próximas eleições voto nos executivos da Playarte, já que é pra cortar tudo aquilo que nos choca, poderiam começar o corte pelos salários de políticos e um ainda maior e fatal nos atos secretos, que Sarney, jura que não sabe o que é e que tem a alma limpa e pura assim como Mike Myers. Ao menos a máscara do Mike Myers é sempre a mesma!

Um comentário:

Manunamoral disse...

hauahuahuahauha

Você me surpreende sempre..

Ohhh vontade de ter essa "tesoura" de cortes tb, pra corta a lingua de meia duzia por ai.

Nosinhora Jack está certo...

Sumemo.

Bjotas Sonoras