Follow by Email

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

DESLIGA A TV E VAI LER UM LIVRO



Meus sete leitores, vou fazer uma confissão: eu detesto televisão! Aí, D. Iolanda e a Dona Carola que além de leitoras são minhas espectadoras vão dizer: mas então porque você tem programa na TV? E eu respondo: exatamente pra tentar mudar o quadro. Mostrar que há outras formas de se fazer TV além da que estamos habituados. Na TV a cabo, por exemplo, existem inúmeras opções de programas bacanas que não subestimam a inteligência do espectador, mas infelizmente, apenas uma parcela absolutamente insignificante em termos numéricos da população pode ter este “luxo” então, a maior parte depende da programação de redes abertas para passar o tempo, afinal televisão nada mais é do que um chiclete para os olhos. Na minha casa, o aparelho funciona mais como monitor pra DVD, afinal assim eu escolho o que quero ver e no horário desejado. Sou assim mesmo. Chato! Não curto imposições, ainda mais nos meus momentos de lazer. Um fato pouco conhecido sobre a TV é que há algum tempo atrás um pesquisador resolveu entrevistar pessoas aleatoriamente, sobre programas de TV e chegou-se à conclusão de que não há preferência por programas ou horários, pois basta ser TV que o pessoal assiste a qualquer baboseira. Isto põe em cheque, evidentemente a legitimidade do IBOPE, que até hoje é questionada, por impor de certa forma um certo tipo de programa ou horário, baseado em estatísticas das quais você e mais seu núcleo de amigos e mais os amigos deles, nunca participam. Alguns países do mundo reciclam seus lixos pelo bem do planeta, mas aqui no Brasil a gente transforma em programa de TV e o IBOPE endossa. Pra não dizerem que não falei de flores, claro que há coisas bacanas na TV aberta, com raras exceções, mas há. Basta você procurar, que você acha! Tem o programa do Jô, que é bacana, o do Serginho, que quando não leva ator da Globo e fica tentando transformar o cara em algo interessante ou da ex-big brother uma pessoa interessante, é bacana também, tem os realitys (bem mais interessantes) e o jornalismo da Record, que na minha opinião é o mais dinâmico, mas convenhamos que tem uma ou outra emissora que não dá uma dentro e parece que a palavra cultura e inteligência é abolida da grade. A MTV virou emissora pra mongolóide EMO (seria pleonasmo?) de 14 anos, então vamos falar das emissoras “adultas”, mas sem citar nomes para evitar constrangimentos, pois meus sete leitores, que são pessoas antenadas já sacaram o que estou insinuando. Está na hora do povo acordar e exigir algo melhor e parar de ser tratado como mentecapto. Ninguém agüenta mais aqueles programas da tarde, com apresentadoras que fazem cara de coitada, com a conta bancária estufada, posando de papas-defuntos ou caçadoras de barracos. Incrível! Algumas deveriam ser financiadas por uma funerária ou por uma delegacia, de tanta morte e barraco que mostram. Nunca vi gostar tanto de ver gente morta ou se gladiando. Aliás, se olhar bem pra cara de uma delas, lembra até mesmo um abutre. Repare! Depois tem os que clamam dignidade, mas falam da vida alheia. Não seria um grande paradoxo isto? Tem a mongol, também. Sabe qual é, né? Aquela que nunca sabe de nada. Do tipo: ele é gay? Nooossa. Isto é um lápis? Pra que serve? Aceita cartãoooo? Como funciona? É de comer? Aí vem as novelas, que sempre são a mesma história e o mesmo elenco fazendo sempre os mesmos papéis. E as pessoas ainda discutem nas ruas e discutem aquilo como se fosse verdade. Já almocei ao lado de duas moças bonitas, uma inclusive empresária na cidade, que estavam brigando, quase se debatendo, porque uma achava que o fulano deveria ficar com a mocinha e a outra não concordava. Gente, aquilo é mentirinha. Na vida real o fulano gosta é de homem e a tal fulana coitadinha, conhece mais travesseiro de motel do que chocolatinho de menta. Pra ver como estou certo, há tempos um cara bacana e barbudo nos ensinou a amar o próximo, mas a TV veio e nos ensinou a desprezar o próximo. Prova disto são os programas de competições ou até mesmo o BIG BROTHER, aliás, discordando dos especialistas, eu acho o programa mais culto da TV brasileira, porque cada vez que começa eu desligo o televisor e vou ler um livro. Tem emissora aberta que é retransmissora da Globo, pois seus programas só falam sobre os da Globo e quando não falam disto, é alguma entrevista com uma prostituta, algum homossexual ou algum fracassado no ostracismo. Nada contra, mas será que se tem tanto a aprender assim com estas pessoas? Eu voto na Surfistinha em qualquer cargo público. Já me decidi que agora voto em prostitutas, pois cansei de votar só nos filhos delas e levar a pior sempre.
Mas em matéria de qualidade, verdade seja dita, o Sistema Bozo de Televisão é tão estável e tão coerente quanto sua grade de programação onde Viva a Noite passa às quatro da tarde, Quarta espetacular passa na sexta, Domingo legal passa aos sábados, Sessão das dez entra ao meio dia, e a jogatina corre solta no meio da tarde. Exemplo disto é o programa Fantasia, cujo segredo do sucesso do programa, na mente de seus criadores, foi juntar dois vícios: sexo mais jogo. Mas não seria mais instrutivo e divertido, assistir um filme pornô da Vivi Fernandez jogando Banco imobiliário? Falando em sexo, tem aquela emissora dos esportes, dos programas nervosos e claro, da cobertura
do carnaval da Bahia, onde sons guturais e ininteligíveis como a-lê-lê, iê-rê-rê e uô-uô-uô, conseguem um efeito semelhante ao que o flautista de Hamelin conseguia com os ratos, fazendo com que os animais da espécie “axéptococus” sigam seu trio elétrico, fazendo movimentos estranhos com os quadris e a pélvis.
Resumindo tudo isto, o grande Wandy Warhol profetizou a célebre frase de que “...no futuro todos seriam famosos por quinze minutos”, mas a velocidade da TV conseguiu fazer com que pessoas fiquem famosas por dez minutos, em especial as que não tem nada a dizer. Ai vem aqueles que dizem que quem critica esta com inveja e jornalistas e críticos não sabem de sabem de nada, porque quase 50 milhões de brasileiros não podem estar errados. Concordo! Afinal, merda deve ser uma delícia, porque 100 milhões de moscas também não podem estar equivocadas. Portanto, liguem suas TVs e apreciem este nobre paladar!

5 comentários:

educaetano disse...

sou um dos sete. sou um dos chatos! e ando mais pessimista que desligado. não perco um capítulo de A FAVORITA (não direi de qual emissora para evitar constrangimento); me perdi em LOST... e endosso o que li neste post. agora me diz: Hebe Camargo diverte-se vendo TV? o sr Fausto Silva diverte-se vendo TV?... É isso. Talvez ela seja tão ruim devido, principalmente (não somente), ao fato de que seja feita/controlada por pessoas que simplesmente desconhecem o solo onde plantam...

Super Sil disse...

Sou a oitava... Nossa já tinham feito a piada.

Super Sil disse...

"Já almocei ao lado de duas moças bonitas, uma inclusive empresária na cidade, que estavam brigando, quase se debatendo, porque uma achava que o fulano deveria ficar com a mocinha e a outra não concordava. Gente, aquilo é mentirinha. Na vida real o fulano gosta é de homem e a tal fulana coitadinha, conhece mais travesseiro de motel do que chocolatinho de menta. "

Concordo absolutamente!!!

Ainda bem que as minhas postagens tem datas, senão tu poderias pensar que te plagiei. Incrivel, quanto mais eu encontro semelhanças com as pessoas, mais me acho única. Silvana

bruna disse...

Fazer o que se esse é o tipo de programação que a população em geral gosta de ver. E é exatemente por esse motivo que a TV nunca irá mudar... tende a piorar!

Concordo!! "desligue a TV e vai ler um livro"

*Deza* disse...

para saber que passei por aqui.
beijo,
Deza