Follow by Email

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

MANIFESTO GREVE DE FAMA



Certa vez um escritor francês disse que todas as coisas já foram ditas, mas como ninguém escuta é preciso sempre recomeçar, portanto, baseando-se nesta teoria de recomeço, eu acordo com todos os dias com a garra e a força de fazer aquilo que acredito, apostando e sempre estando atento ao que foi dito e ignorado e no que ainda irá ser dito, feito e reverenciado, como forma de arte e liberdade de expressão acima de tudo.
Todas as formas artísticas e culturais são parte do processo de libertação de um povo. O saber, o caminhar e o lutar são algo que se faz também cantando, bailando, rezando, tocando instrumentos musicais, dançando, declamando poemas, falando, escrevendo, pintando, rindo e até chorando, tudo isso é parte do processo de crescimento dos povos.
A opressão de uma “ditadura cultural” que vemos sofrendo, nos da margem à coragem e força para que surjam novos estímulos de discussão e persuasão, pois o descontentamento é o primeiro passo para o progresso. E é com base nisto, que o Cinelândia na TV retorna agora com força total e venho aqui agradecer as mais de 80 mensagens (parece pouco, não é? Mas é mais que um apresentador de programa da tarde em canal aberto recebe por semana) parabenizando a volta do Cine e toda minha irreverência somada a minha reverência a tudo aquilo que admiro e acredito. Claro que trabalhar 24 horas produzindo, escrevendo, editando, dirigindo, apresentando e tudo sem receber um único centavo, não é fácil, ainda mais num mundo absurdamente capitalista, onde avaliam você pelo que tem e não pelo que é ou representa, mas de outro lado posso me dar ao luxo de fazer o que quero e por pra fora o grito de liberdade entalado na garganta por tantos anos a fio, enquanto aprendia as regras do jogo para agora, depois de um bom tempo, poder quebrá-las e porque não, reinventá-las para que um dia sejam seguidas por aqueles que admirem a arte, o bom gosto e acima de tudo a ousadia rebelde. Parafraseando o mestre surrealista, Salvador Dali: “É preciso provocar sistematicamente confusão. Isso promove a criatividade. Tudo aquilo que é contraditório gera vida.” As atividades artísticas e culturais devem ter sempre a finalidade de convidar-nos à convivência, à unidade, à fraternidade e a partilhar os momentos de alegria; algo que nos faz sentir amigos, irmãos, todos com o mesmo objetivo. Objetivo de vencer sempre. Lutar e nunca desistir! Mesmo cientes de que somos formiguinhas tentando sobreviver boiando num oceano de tubarões famintos. Formiguinhas ousadas, e claro, donas de um certo charme e simpatia, chamando a atenção de um peixe aqui, outro peixe ali, com sua coragem e ousadia, lembrando-se sempre que ousar sem saber é perigoso, mas saber sem ousar é vão, portanto cansados de ouvir os “mestres do bom gosto”, todas aquelas figuras carimbadas de terno e gravata, donos de suas salas decoradas com discos consignados de ouro e platina pendurados na parede ou repletos de prêmios dedicados (na maioria comprados) à sua trajetória ou momento televisivo, enfim, estas pessoas que estão sempre separando o joio do trigo e lançando sempre o joio, como de costume, até que surge nossa vez de jogar o grande jogo. Os dados chumbados já não nos corrompem maisChegou a vez do porão, da marginália, do bom senso. Na maré alta os peixes comem formigas; mas na maré baixa as formigas que comem os peixes. O artista independente condenado à humilhação e desprezo, agora esta condenado apenas a ser livre, o que lhe torna senhor de sua vontade e escravo apenas de sua consciência, portanto livre para cantar, proclamar, gritar e porque não, gozar na cara desta gente careta e covarde que finge que não se importa, mas teme e reverencia o novo inconscientemente. O gozo dos rebeldes com causa. O ato de rebeldia que expressa uma nostalgia pela inocência e é um chamado, um apelo pela essência do ser.
Liberdade de expressão. Devolva-nos nossa voz! Liberdade cultural! Eu sei que a liberdade é uma escadaria com mil degraus, porem Deus me deu muito fôlego e principalmente a coragem de dizer: Não uso elevador, porque a música é chata!
Viva o Cinelândia!Viva o AeroSilva: a essência da rebeldia sarcástica!

2 comentários:

guilherme disse...

Acho q tudo tem um proposito, bom cada um tem uma crença e td mais, eu creio q vc ainda va aconteçer, pq vc tem potencial, sabe o q fala, o q faz, talvez hj, isso nao seja a prioridade pra se fazer sucesso, mas garanto q qdo isso acontecer com vc, vc vai mostrar q potencial faz a diferença

abraçao mauricio, e tamo junto cara...

Aden Santos disse...

...a arte morreu, amigo...os músicos sao "malas", egoístas e desunidos...o entretenimento, em geral, é corrupto, vendido e tendencioso. Não fazer este sucesso de hoje em dia, é uma benção.
O Q gostamos vamos continuar fazendo...ninguém tá nem ai...eh sempre a mesma coisa !