Follow by Email

domingo, 20 de julho de 2008

EU SOU UM ANTI HEROI

Eu sempre fui fã do anti-herói! Groucho Marx, Bukowski, V, Macunaíma, e até John Rambo, sempre me chamaram mais atenção do que supermans, homens aranhas, astronautas e outros heróis. Esta semana vi dois filmes onde o anti-herói é o herói. O primeiro foi Kung Fu Panda, que vi na excelente companhia do meu afilhado (este sim um grande herói com charme de anti-herói) e nos divertimos muito com a história de um Panda gordo e completamente anti-herói, que ao acreditar em si mesmo e em sua força interior, acaba salvando os rumos de um povo. Alguém já ouviu falar num cara chamado Gandhi? Quer mais anti-herói do que ele? Esquálido, sem armas e muito menos mestre em artes marciais e conquistou a independência de uma nação sem violência alguma por parte dele. Tem um tal de Jesus, que alguns só o clamam pra pedir coisas em nome dos céus e outros que o conhecem como homem e que foi nosso maior anti-herói, pois sem lutas e também armas, pregou apenas uma coisa simples: o amor! E o que aconteceu com este moço??? Sem dúvida é o maior HERÓI de todos os tempos, porém viveu e morreu como um anti herói. O anti-herói é livre, criador e sensível e é graças a ele que o mundo é modelado para o belo enquanto que as massas continuam arrastadas pela dança infernal do emburrecimento explícito. Enquanto o herói proclama por mérito, por prêmios e por reconhecimento, além do beijo da mocinha, ou do mocinho, dependendo do tipo de herói, nosso anti-herói vive recluso e não espera nada de ninguém, a não ser de si mesmo e por isto é livre. Se isola por opção por não querer compactuar com as pessoas a mesquinharia que habita a mente delas. O indivíduo que teve experiência de solidão não se torna nunca uma vítima fácil das sugestões de massa e daí se torna o que? O Anti-herói! Tanta filosofia pra falar do segundo filme que mencionei, e que se trata de um blockbuster, onde evidentemente a filosofia única existente é a de ganhar dinheiro, certo? Errado. No filme Hancock, que além de divertido escorrega na filosofia sim com inúmeras metáforas no decorrer da película. Will Smith faz um anti-herói, ou seja, um super herói humano, com defeitos inúmeros, porém com qualidades que só o olho atento enxerga: a justiça, a razão e a sensibilidade. Ignora a tudo e a todos, porque não se importa como disse acima com a mesquinharia humana, porém se arrisca para salvar qualquer um que necessite de sua ajuda a troco de nada. O Anti-herói não é bacana ele é bom! O anti-herói não é político ele é justo! O Anti-herói não é sociável ele é recluso! O anti-herói não é bonito ele é charmoso! E por falar em beleza e charme meu sonho de consumo, a atriz Charlize Theron, faz a dona de casa que esconde uma mentira do marido (eu já vi esta cena) por anos, afinal ela também é uma heroína e numa das maiores metáforas do filme, descobre-se que ela e o Hancok são seres apaixonados, porém que não podem viver juntos, pois juntos perdem seus poderes e não conseguem salvar a ninguém nem a si mesmos, e afastados um consegue ser mais forte que o outro e proteger a todos, inclusive aos próprios. Viver longe um do outro em nome de um amor? Clichê demais pra uma coluna de jornal, né? Mas confesso que a história deu uma cutucada no coração, ainda mais na cena final que obviamente não vou contar, mas que não deixa de ser metaforicamente bela. O cinema é uma forma tão mágica de entretenimento que não há regras. Você pode se emocionar com um filme do Bergman e no outro dia com um blockbuster pateticamente óbvio. Eu neste dia estava mais Hancock que Morangos Silvestres, então recomendo que assistam nem que seja por diversão. Afinal o anti-herói além de todos adjetivos aqui já mencionados, é muito mais divertido, porque é sarcástico e tem humor. Fala o que tem de dizer a quem tem de dizer, sem se importar, porque aprendeu a ser sozinho. O anti-herói não é só genioso é acima de tudo genial, porque o talento explica, implica e complica, mas só o gênio sabe instintivamente o inexplicável. Eu confesso: sou um anti-herói e não quero mudar!

PUBLICADA NO JORNAL GUARULHOS HOJE DIAS 19 E 20 DE JULHO DE 2008

Um comentário:

bruna disse...

Agora me deu uma vontade imensa de assistir ambos os filmes!
Você conquistou mais uma leitora diária. =)